Minha chegada na Finlândia foi tranquila. No aeroporto, quando primeiro botei olhos na minha família hospedeira, sabia que eles seriam a melhor companhia que poderia pedir. A coisa de intercâmbio é que desde cedo precisa-se confiar nessa família do outro país que pessoalmente você nunca viu, e isso parece extremamente assustador, e não minto, foi assustador. Mas com o tempo isso passa, esse sentimento de medo e desconfiança se transforma em algo mais profundo que nos liga como uma família de verdade. Viver longe de tudo que se conhece nunca é fácil, mas quando esse medo é ultrapassado percebe-se que o desconhecido não é assustador, e as coisas que aprendemos na viagem não têm preço.

Uma coisa que é muito diferente aqui na Finlândia é que tudo é muito verde. É um país muito ligado a natureza e a vida é, de certa forma, criada em volta dessa característica. Posso abrir a porta de casa e entrar numa floresta, colher frutas silvestres, cogumelos, ver cervos, coelhos, esquilos e alces andando pelos terrenos.

Minha primeira impressão dos finlandeses é que todos são bem gentis e humildes, porém um pouco fechados. Os primeiros dias de colégio foram bem complicados por causa dessa timidez. Todos querem te conhecer, mas ninguém tem coragem de vir até você e conversar cara a cara. Entretanto, depois que se passa desse primeiro obstáculo, eles são incríveis amigos. Foi depois de uma semana que eu comecei a fazer amizades. Admito, foi uma semana muito estressante, mas foi um estresse compensado.

O clima finlandês é muito diferente do brasileiro. Quando cheguei aqui, ainda era verão, um verão de 25 a 15°C, enquanto no sul do Brasil era inverno de 15 a -8°C. O inverno aqui é algo que eu nunca presenciei. Com temperaturas abaixo de zero, chegando até -25°C na região de Turku, com neve, gelo e frio, muito frio. Outra diferença é a falta de sol. Só se tem claridade das nove da manhã até as quatro da tarde.

Viajar para outro país e aprender sobre a cultura desse mesmo foi uma decisão muito boa. Não só eu aprendo viver outra vida, mas também volto para o Brasil com uma mentalidade única: meio brasileira, meio finlandesa. Eu acho que, no fim, é isso que nos faz ser quem somos.

Abraços,
Ângela Dossa

IMG_8239
IMG_8642
IMG_8902
IMG_8982

 

(function(w,d,s,l,i){w[l]=w[l]||[];w[l].push({'gtm.start': new Date().getTime(),event:'gtm.js'});var f=d.getElementsByTagName(s)[0], j=d.createElement(s),dl=l!='dataLayer'?'&l='+l:'';j.async=true;j.src= 'https://www.googletagmanager.com/gtm.js?id='+i+dl;f.parentNode.insertBefore(j,f); })(window,document,'script','dataLayer','GTM-T86NHC9');
(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = 'https://connect.facebook.net/en_US/sdk/xfbml.customerchat.js#xfbml=1&version=v2.12&autoLogAppEvents=1'; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));