Receber um estrangeiro em casa é uma experiência transformadora tanto para quem hospeda, quanto para quem é hospedado. Para a família, no entanto, a grande dúvida é saber como conviver com um intercambista.

Ao contrário do que algumas pessoas possam imaginar dividir o lar com um estrangeiro pode ser muito proveitoso para todos os envolvidos.

Confira neste artigo 10 dicas para você aproveitar a convivência com um estudante do exterior.

Como conviver com um intercambista.

1. Deixe sua casa preparada

Para conviver com um intercambista você deverá ter o cuidado de acomodá-lo confortavelmente da mesma maneira que você faria com um filho.

Isso não significa que você precisará de um quarto só para ele. Como o objetivo é integrá-lo à família hospedeira, basta que você separe uma cama no quarto de seus filhos, por exemplo.

2. Faça uma recepção calorosa

 

Uma boa maneira de começar essa convivência com o pé direito é promovendo uma recepção bem carinhosa. Você pode colocar uma faixa de boas-vindas e chamar alguns parentes e amigos mais próximos. Faça com que ele sinta que é bem vindo.

3. Mostre a dinâmica da família

Quando o intercambista tiver descansado da viagem explique quais são os horários das refeições, onde ele deve colocar as roupas sujas, entre outros detalhes que fazem parte da rotina na sua casa.

Seja paciente e esteja aberto para dúvidas e para lidar com o processo de adaptação. Lembre-se que não é difícil conviver com um intercambista.

4. Apresente o bairro

Antes de começar as aulas do estudante estrangeiro, leve-o para passear nos arredores da sua casa mostrando onde fica o ponto de ônibus mais próximo, já que ele precisará saber disso para ir e voltar da escola.

Dê dicas quanto ao manuseio do celular em público, o que ele deve fazer se for abordado por um estranho, como se portar de maneira educada durante as aulas… Enfim, faça com que ele se sinta preparado.

5. Aproxime seus filhos e o intercambista

 

Jovens precisam andar com jovens, e essa regra é ainda mais importante quando se trata de um estrangeiro.

Sendo assim, peça para seus filhos incluírem o intercambista nas atividades sociais. Explique que essa interação será benéfica para todos, sobretudo pela troca cultural.

6. Realize refeições temáticas

Para que o intercambista conheça nossa culinária, você pode preparar uma refeição tipicamente brasileira ou, então, providenciar um dia para todos comerem em um restaurante que sirva pratos tradicionais.

E o contrário também é válido: converse com o estudante para saber quais são os pratos favoritos na culinária de seu país e separe um dia na semana para servi-lo no jantar. Assim, você e sua família farão descobertas incríveis sem sair de casa.

7. Desvende a cidade com o intercambista

 

Museus, parques e até mesmo casas de shows intimistas são muito bem-vindos para uma pessoa que está em um país estrangeiro.

Portanto, leve o intercambista para conhecer os pontos turísticos da cidade e apresente os locais que só os moradores conhecem.

8. Organize viagens conjuntas

É bem provável que o intercambista insista em conhecer outras cidades do Brasil durante o intercâmbio.

Como os estudantes ficam de seis meses a um ano no Brasil, você pode aproveitar o período de férias escolares para viajar com todo mundo e curtir algumas das atrações turísticas brasileiras.

9. Estimule o intercambista a viajar sozinho

Pode ser que você não consiga a verba necessária para sua família viajar, mas isso não quer dizer que o estudante não possa fazê-lo por conta própria.

Todos os intercambistas são instruídos a trazer uma quantia para atividades dessa natureza. Além disso, algumas organizações responsáveis pelo intercâmbio mantêm parcerias com agências de turismo justamente para atender a esse público.

A AFS é uma delas. Com os pacotes específicos e monitorados por voluntários, o intercambista terá uma experiência inesquecível.

10. Seja sincero

 

 

Algumas atitudes comuns no exterior podem ser vistas como deselegantes no Brasil, e vice-versa.

Caso você presencie alguma situação desse tipo, seja franco e converse com o interecambista explicando o porquê daquele comportamento não ser indicado.

Conviver com um intercambista é uma verdadeira dádiva. O enriquecimento cultural dessa relação diária é tão forte que você mudará sua visão sobre a experiência do intercâmbio, vendo como seria se seu filho estivesse no exterior, e sobre o mundo como um todo.

Que tal se tornar uma família hospedeira? Saiba tudo o que você precisa fazer clicando aqui.

(function(w,d,s,l,i){w[l]=w[l]||[];w[l].push({'gtm.start': new Date().getTime(),event:'gtm.js'});var f=d.getElementsByTagName(s)[0], j=d.createElement(s),dl=l!='dataLayer'?'&l='+l:'';j.async=true;j.src= 'https://www.googletagmanager.com/gtm.js?id='+i+dl;f.parentNode.insertBefore(j,f); })(window,document,'script','dataLayer','GTM-T86NHC9');
(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = 'https://connect.facebook.net/en_US/sdk/xfbml.customerchat.js#xfbml=1&version=v2.12&autoLogAppEvents=1'; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));